Resenha do conto "O Presente"

11 de abril de 2017
Oi amores, tudo bem?

Por aqui as coisas andam bem agitadas, comecei a trabalhar semana passada (glória a Deeeeeus!!!!!), e aos pouquinhos tô conseguindo conciliar o blog com essa nova vida! E hoje eu trouxe pra vocês uma resenha de um conto super fofinho da nossa parceira Editora Draco!

Título: O Presente
Autora: Karen Alves
Editora: Draco
Local de edição: São Paulo (SP)
Ano de publicação: 2017
Conto de Karen Alves, da série Espelho, de "Inverso" e "Reverso". É o aniversário de sua melhor amiga, e Daniel, pela primeira vez, não consegue escolher um presente. A sugestão de sua mãe (tempos desesperados requerem medidas desesperadas!) é diferente e meio embaraçosa, e agora ele precisa enfrentar o medo, um pai desconfiado e uma irmãzinha linguaruda antes de entregar o presente. Será que Megan vai gostar?



Bom, no início, eu não achei que o conto fosse atender às expectativas que eu criei lendo a sinopse. Durante a leitura, achei a sugestão de presente da mãe do Daniel um pouco embaraçosa sim, mas não vi nada de diferente, achei super normal. Por conta dessa pequena crítica inicial, achei que a leitura seria entediante, mas pouco a pouco me envolvi com os personagens e com os acontecimentos. E antes da irmãzinha linguaruda entregar o jogo, percebi o que se passava: opa, tem algo além de amizade aí!


Fiquei encantada com o desenrolar dos acontecimentos. A chegada de Megan na sala, pronta para ir ao cinema com Dan, a entrega do presente, Dan todo envergonhado com toda aquela situação... tudo foi descrito de uma forma engraçada e, ao mesmo tempo, cheia de pureza e ternura, coisas das quais sinto falta na maioria dos romances atuais.

No final do conto, ficou aquele gostinho de quero mais: o cinema foi só cinema ou realmente foi um encontro? Megan corresponderia aos sentimentos de Dan? Eu fiquei realmente muito curiosa pra saber o que aconteceu depois! Aí, Karen, esse conto merece uma parte 2!!

E pra quem quiser ler esse conto, eu tenho uma ótima notícia: ele é GRATUITOOOOO! É só correr lá na Amazon (clique aqui) e baixar o seu! Ah, e não deixem de conhecer os outros contos da coleção Contos do Dragão que também são super legais, hein! Beijos e até a próxima!

O que rolou no Seminário "Bibliotecas Comunitárias: entre saberes e fazeres"

31 de março de 2017
Oi amores, tudo bem?

Vocês lembram que no post sobre bibliotecários na blogosfera eu apresentei o blog da rede Conexão leitura e falei sobre um seminário que seria realizado na Unirio? Então... eu participei, e foi ótimo. ÓTIMOOOO!!!


O seminário aconteceu nos dias 30 e 31 de março (ontem e hoje), na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, em parceria com a própria Universidade, a Rede Nacional de Bibliotecas Comunitárias, a Revista Biblioo, e várias outras entidades. Foi um momento riquíssimo de aprendizado, troca de experiências e, especialmente, discussão sobre a missão das bibliotecas públicas e comunitárias e os agentes envolvidos com essas bibliotecas.

No primeiro dia de trabalho, o destaque ficou por conta das mesas de discussão. Diversos profissionais, entre professores, bibliotecários e mediadores da Conexão Leitura, abordaram temas importantes - e urgentes - como a importância das bibliotecas públicas  e comunitárias para a construção de uma sociedade mais justa, o desenvolvimento de políticas públicas que garantam melhores condições essas bibliotecas, seus usuários e seus agentes, e o desenvolvimento do PMLLB - Plano Municipal do Livro, Leitura e Bibliotecas - para a cidade do Rio de Janeiro.


Mesa "Pesquisa em políticas públicas para as bibliotecas"
No segundo dia, ah... esse pra mim foi o melhor dia! Infelizmente não cheguei a tempo de participar do cortejo literário (trânsito do Rio de Janeiro: sempre atrapalhando vidas). Mas aproveitei ao máximo as oficinas realizadas pelos mediadores de leitura. Teve desenho, poesia, contação de histórias... teve até um cantinho de leitura onde os livros davam em árvores haha! E pra completar minha alegria: ganhei 3 LIVROS!!! ❤

31 de março de 2017: o dia em que livros deram em árvores!!


 
Meus novos bebês :3

Como eu disse lá no início, foi um ótimo momento de aprendizado. Voltei pra casa me sentindo com a cabeça cheia de ideias que já estou ansiosa pra colocar em prática, seja num futuro emprego, seja na biblioteca que quero criar lá na igreja. Também fiquei super feliz por conhecer pessoas novas e retomar meu contato com professores (que agora são meus colegas de profissão, ui que chique!) e alunos da Unirio. Obrigada a toda a equipe da rede Conexão Leitura, graças a vocês eu fechei meu mês de março com chave de ouro!

Eu e os mediadores!

E aí, gostaram do post de hoje? Contem pra mim aí nos comentário o que vocês acharam, e se alguém tiver alguma dúvida, pode perguntar à vontade!!! Ah, não deixem de acessar o blog da Conexão Leitura (http://www.conexaoleitura.org.br/) pra conhecer as bibliotecas da rede e o trabalho dos mediadores! Beijos e até a próxima!

Perto dos olhos, longe do coração

28 de março de 2017

Ela já havia superado a decepção de mais um "não" na cara, já podia olhá-lo e conversar ele novamente sem sentir os olhos cheios de lágrimas e o coração cheio de mágoa. Mas esse mesmo coração ainda pertencia a ele, por mais que ela tentasse evitar.

As amigas diziam: "esquece esse cara, você precisa partir pra outra, não precisa dele pra ser feliz". Ora, como ela poderia esquecê-lo, se ele estava sempre por perto? Como poderia se afastar, se trabalhavam no mesmo escritório, e ainda participavam da mesma roda de amigos no final de semana? Pior ainda: como esquecer esse amor tão grande, se cada tentativa de deixar os sentimentos de lado falhava no primeiro sorriso?

Ela sabia que não podia obrigá-lo a corresponder seus sentimentos, e que não valia a pena estragar uma amizade de longos anos por conta disso. Mas o coração da gente é teimoso, insiste em querer o inalcançável, e isso dói. E como dói.

Só mesmo o tempo poderia dar um jeito nas coisas, já que se afastar de tudo era praticamente impossível. Poderia levar algumas semanas, quem sabe até alguns meses, até que seu coração estivesse totalmente livre e aberto a um novo amor... mas naquele exato momento, não havia outra escolha: teria que manter a convivência da forma mais natural possível. Teria que ser forte o suficiente pra não perder a cabeça ao vê-lo ali, tão perto de seus olhos, mas tão longe do coração.